Menu Fechar

Dicas de produção

Cada publicação tem seus próprios parâmetros, então, se você tem interesse em nos enviar suas produções, dê uma olhada nas nossas dicas.

Lembre-se que toda fonte de inspiração conta: se uma formiga na calçada da sua rua levou você a uma epifania que pode vir a expandir as fronteiras de outros, traga para a Revista Literomancia! Seja na forma de um conto, um ensaio ou uma matéria.

Dicas para os contos

  • Enredo. Coerência, objetividade, complexidade de trama e personagens. Qual a ligação entre o início, o fim e o meio? Quais são os arcos narrativos? Qual é a evolução e a função de cada personagem? É possível identificar um planejamento da parte do autor? O conto mantém a verossimilhança?
  • Ritmo. Coesão, pontuação, parágrafos e períodos. Os parágrafos e frases estão todos do mesmo tamanho? As frases estão claras? Foram evitadas rimas e cacofonias? Os personagens falam de acordo com sua personalidade e suas características? As cenas são bem descritas? Há um ritmo bom entre ação e descrição?
  • Criatividade. Originalidade, construção de mundo, imprevisibilidade. Há muitos clichês? O cenário é algo totalmente novo, ou está explorando os limites das convenções? É possível prever os acontecimentos ou as atitudes dos personagem? O personagem tem profundidade? Há algo diferente no narrador? A história seguiu rumos inesperados? O elemento especulativo foi trabalhado em todos os seus ângulos?
  • Adequação.O conto se adequa a proposta da revista? O conto se encaixa em ficção especulativa, suspense e/ou literatura fantástica?
  • Foco. O tema do conto é abarcado do início ao fim? O conto relata ou descreve mais/menos do que precisa? O personagem possui características puramente estéticas, narrativamente ou simbolicamente irrelevantes?
  • Expressão. O conto tem como pretensão central pregar moralidade, ou possui várias mensagens? Há camadas de compreensão? Há mais de um significado para cada possibilidade?
  • Relevância. A mensagem da obra é importante? A ideia geral remete a questões interessantes? O autor demonstra domínio do tema? Há um debate interno ou a história é uma propaganda ideológica?
  • Gramática. O autor demonstra domínio da língua? O autor manteve uma linguagem compreensível? O autor tentou ser rebuscado demais?
  • Ortografia. O autor cometeu muitos erros ortográficos ou de digitação? O autor demonstrou ansiedade?
  • Reflexão. É possível identificar-se com os personagens? A trama permite que o leitor pondere a respeito de seus possíveis destinos ou termina com um desfecho conclusivo?
  • Imersividade. É possível extrapolar aquele universo? É possível que o leitor se sinta dentro do cenário criado? É possível imaginar-se vivendo o que está escrito?

Dicas para as críticas e ensaios

  • Complexidade e compreensibilidade. Quanto mais complexo for o assunto, e mais fácil for entendê-lo, melhor será seu texto.
  • Domínio teórico sobre narrativa. Sim, nossas críticas e ensaios não precisam ser impessoais, mas também não estamos interessados no gênero “textão de facebook”.
  • Chamada e narratividade. A Revista tem um público-alvo muito variado, então tente deixar sua produção mais “leve”. Use técnicas narrativas e trabalhe ao redor de uma unidade de efeito para deixá-la interessante até mesmo para os leitores menos experientes. Não tenha medo de ser artístico. Atraia, chame a atenção, discuta, etc.
  • Aplicabilidade prática do tema. Tente expor de maneira clara como a teoria utilizada ou o debate em questão pode ser útil na prática. Utilize ideias que sejam interessantes tanto para o veterano quanto para o leigo.
  • Exemplificação. Utilize teorias, teóricos, conceitos, ideias e mostre exemplos, mas não se prenda em definições absolutas. Traga para sua produção a dualidade dos pontos de vista.
  • Objetividade. São apenas duas páginas, então remova qualquer coisa que não gire ao redor da ideia central.
  • Humor. É sempre bem-vindo, mas não exagere. Não o utilize como prato principal, acompanhamento ou sobremesa: faça dele seu tempero gourmet.